terça-feira, 30 de outubro de 2012

Andando de Wakeboard em Miami- Ski Rixen Wakeboard Cable Park



Entre uma excursão em família e outra, consegui uma ótima fuga para o cable parque, para andar de wakeboard. Quem já passeou por aqui sabe que esse é meu esporte favorito, é como a melhor representante de equipamentos no Brasil melhor descreve eu tenho "Wake na Veia". 
E o que isso significa? Que eu tinha que andar de wake nos Estados Unidos.

Os Estados Unidos é o berço do esporte, foi lá que tudo começou, e também é lá onde a indústria do esporte é mais desenvolvida. 
Pirando na batatinha, por que uma coisa não tem nada a ver com a outra, poderia dizer que Orlando é o Hawaii do wakeboard. Lá é onde tudo acontece. 
Mesmo com nosso incrível cable parque brazuca, o Naga, eu queria mesmo era experimentar novos obstáculos e uma vibe diferente andando em outro cable parque.
Com nossa trip americana passando por Miami, Orlando e São Francisco, minhas principais opções em cable parks eram o Ski Rixen Wakepark em Ft. Lauderdale do lado de Miami, e o Orlando Watersports Complex- OWC.
O OWC eu já tinha visitado em 2008 e ele pode ser considerado "O Cable Park". 



Não que ele seja o melhor, mas a quantidade de eventos, filmes, fotos, e ótimos wakeboarders que passam por lá faz a repercussão e fama do lugar ser imbatível.

Visão do lago do OWC em 2008

Para se ter uma ideia quando eu fui para Orlando pela primeira vez, foi no melhor formato "wake trip", passamos 15 dias andando de wake, e principalmente de wake de cable. Na época uma modalidade que não era possível praticar no Brasil. 


Galera na Wake Trip
Atualmente com a construção do Naga Cable Park, é crescimento constante do esporte no país, posso afirmar com certeza que não ficamos para trás.

Fugi de Miami em direção a Ft. Lauderdale para andar no Ski Rixen Wakepark.
O Cable funciona em um esquema um pouco diferente dos outros cables que já andei. Isso porque ele fica dentro de um parque estadual, é preciso até pagar uma taxa de admissão para entrar na área do parque.
O parque é grande e o cable fica localizado bem perto da entrada principal. O diferente é que várias atividades se mesclam no parque, há trilhas de corrida, lugares para passear com o cachorro, quadras poli-esportivas, lugares para fazer pic-nic, e a cereja no bolo: o cable parque.

A estrutura em si do cable não impressiona, uma loja principal é tudo. Lá você consegue alugar os equipamentos, contratar o tempo que você vai andar, e há alguns equipamentos de wakeboard a venda.


Quando cheguei para pedir minha hora de cable, ou melhor as minhas quatro horas de cable, começou a burocracia.
A primeira pergunta era se eu já tinha andado lá, como a resposta foi não, começou a lenga-lenga.
Mesmo insistindo que eu já tinha andado diversas vezes em outros cables parques, não teve conversa. A afirmação era que como eles estavam localizados dentro de um parque estadual eles tinham que cumprir algumas normas de segurança, que eram:

-Assistir um vídeo explicando a segurança para andar, concordo que é importante para quem nunca andou. Mas para mim que já sei tudo aquilo de olhos fechados, e estava louco para cair na água, era como um castigo na hora do recreio.

-O castigo número 2 que a mocinha do caixa insistia comigo era que  eu teria que dar uma volta completa de knee-board primeiro antes de ir para o Wake.
Para quem não está familiarizado com o esporte, o knee-board é uma pranchinha que você vai de joelho, bem iniciante, ótima para crianças. Porém para mim com horas e manobras na água aquilo seria uma tortura.
Ah isso sim era castigo! Mas com minha insistência e paciência com a senhora não tão educada, consegui quebrar essa regra falando que já tinha andado no OWC. Foi o que me salvou.


Depois dessas etapas consegui alugar minha prancha, e cair na água.
O cable é bem cumprido, o lago é grande, e o sistema tem 4 torres, ao invés das habituais 5. A grande diferença no número de torres são as curvas, com 4 torres as curvas se tornam um pouco mais fechadas, mas nada que atrapalhe, fazendo as curvas por dentro das boias a diferença nem é muito perceptível.
Pelo tamanho total do percurso achei que faltaram obstáculos, muito tempo sem nada para passar por cima. Tá valendo.
O destaque nos obstáculos ficou por conta de uma divertida funbox, com a lateral no estilo a-frame.
Olha eu lá de Boardslide na Fun Box...

No total são 9 obstáculos; uma fun-box; dois no estilo flat bar, sendo um daqueles canos grandes e largos e a outra com uma saída de incline; 4 kickers, sendo um inclinado lateralmente com a parte da direita mais alta que da esquerda; um rooftop; e um a-frame com wallride lateral.



É um cable legal pra quem está na água, com obstáculos bons, apesar da distância entre eles em alguns trechos, no entanto com pouca estrutura fora d’água, pouca sombra, e quase nenhuma opção de comida. 











Nenhum comentário:

Postar um comentário

Zen e Caos- Viagem pela Tailândia

Postagens populares