quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Inhotim- Instituto de Arte Contemporânea e Jardim Botânico.

Para esse post convidei minha irmã a Paula, que já nos acompanhou por algumas viagens aqui nesse blog, para contar um pouco sobre sua recente viagem a Inhotim -MG, segue o relato dela:



Localizado em Minas, na cidade de Brumadinho, a 60km de BH, Inhotim ainda é um lugar um tanto desconhecido principalmente nos outros estados, mas com certeza por pouco tempo. 
Não tem muito o que descreva as sensações de estar lá dentro. É um magnífico jardim botânico com diversas galerias e obras de arte espalhadas em um lugar imenso e simplesmente lindo. 


São cerca de 24 obras ao ar livre e 17 galerias até agora, com várias sendo construidas. 

Visitei com uma amiga, aproveitando para também conhecer Ouro Preto e BH, no final de Julho. 

Dividimos nossa visita em dois dias. O local fica aberto das 9h30 até as 16h30 durante a semana e até as 17h30 aos finais de semana, e esse tempo para nós foi ideal. 

Chegamos na terça feira, 24 de julho, dia da semana em que a visitação ao instituto é gratuita, e retornamos na quarta. No primeiro dia havia muita gente, foi aliás o recorde de visitação, como descobri mais tarde, com 6.524 visitantes. Um grande contraste com o dia seguinte, que estava com absoluta certeza muito mais vazio.
Mas a quantidade de pessoas não impediu o aproveitamento do local, apesar de algumas filinhas pra entrar nas galerias e almoçar. 



Considerando a dimensão de Inhotim, decidimos no primeiro dia visitar as galerias e obras que ficam mais na região central, e as mais distantes deixamos pro dia seguinte. Foi uma boa estratégia... 



Aliás, importante garantir o mapinha logo na chegada! Se perder por ali é facil, o que não é problema pra quem tiver mais tempo e puder garantir que visitará todas as galerias, mas pra quem tiver dois dias contados, é bom traçar uma rota! 


As galerias e obras que ficam mais distantes da região dos restaurantes e da recepção se dividem em duas "estradinhas", uma com aproximadamente 1km e outra com 2km. Por isso, nesse trajeto são oferecidas caronas pelos carrinhos, que param a cada obra, o que te poupará uma boa caminhada por apenas R$15 por pessoa, para aqueles mais preguiçosos, com crianças ou com alguma dificuldade. 
Optamos pela caminhada, e não nos arrependemos. O trajeto é lindo sempre. Em um deles tem sombra boa parte do tempo, e achamos gostoso esse tempinho de "descanso" entre uma obra ou galeria e outra. Só não vale deixar a preguiça dominar achando que "esses que tão longe não precisa ir..."!! Não deixe de visitar todas as galerias! Vale muito a pena! Além disso, as minhas obras preferidas estão entre as que estão mais longe! Por isso vale sim a caminhada, não deixe de acreditar. 

Entre os artistas, brasileiros e não, temos Cildo Meireles, Helio Oiticica, Adriana Varejão, e muitos outros. E a visita vale mesmo até para aqueles que não são grandes amantes e conhecedores da arte, como eu. Muitas galerias interagem com os visitantes, e não precisa entender nada, apenas sentir! Isso sem falar do visual. Muito legal mesmo... 

Não vou me prender em descrições de galerias, porque sinceramente, muitas merecem a surpresa de entrar e descobrir o que tem. 
Mas estão entre as minhas preferidas e que não podem faltar: obra do Doug Aitken, a última de uma das estradinhas; Galeria Cosmococa, do Helio Oiticica; Galpão Cardiff e Miller; Galeria Praça e várias outras obras que estão espalhadas por todo jardim... E, muitas vezes vale dar aquela lida nas plaquinhas com descrição da obra, principalmente para os que não fizerem visita guiada, opção oferecida pelo instituto. 
Eles oferecem uma boa estrutura de banheiros, lanchonetes e restaurantes, bem espalhados pela região. Como não podia deixar de ser, os preços lá dentro é que são um tanto elevados. Mas nada impossível... Principalmente para o almoço, com diferentes estilos de restaurantes, com opções por quilo, self-service, a la carte, pizarria, cachorro quente e as lanchonetes. 


A cidade de Brumadinho não adquiriu nenhuma aparência realmente turística, e até onde entendi ficamos hospedadas na única pousada localizada dentro da cidade, a pousada Lafevi (http://pousadalafevi.wix.com/pousadalafevi). Fomos super bem recebidas e tratadas, em um ambiente completamente familiar e tranquilo. Eles possuem diferentes opções de quartos e preços, oferecem transporte até Inhotim e um jantar delicioso feito no fogão a lenha se você pedir com antecedência. 

Mas existe também opção de ir de ônibus de Belo Horizonte, saindo cedo e voltando no final da tarde. Só descobrimos depois, mas ele chega e sai direto de Inhotim, sem precisar ir até a rodoviária de Brumadinho, como fizemos. Então apesar de o site do Instituto não deixar essas informações muito claras vale se informar sobre isso... A rota do ônibus que pegamos, de Bh até lá, é só uma das opções e a mais lenta. Fizemos o trajeto em cerca de duas horas. 

Para mais informações visite o próprio site do Inhotim, que fala também de restaurantes e pousadas na cidade, além dos preços, horário de funcionamento, opções de visitas e serviços oferecidos. 



Aos oficiais bloggeiros do Comi Perninha de Cachorro, Pedro e Annete, fica a dica.... Visitar Inhotim tem que estar nos próximos planos!!!

Por:
Paula Savério Penna.
Na foto a Paula a esquerda e sua amiga Anita

Em breve veja o novo relato sobre Ouro Preto-MG

2 comentários:

  1. =)
    "E sua amiga Anita", hahaha

    Realmente, uma das melhores viagens que já fiz, muito lindo mesmo, tudo!

    As obras externas também são maravilhosas, eu amei a do Beam Drop! E a árvore que você postou as fotos também é fantástica.

    Das galerias, as que você falou são muito boas, mas eu também amo a do trator, da Lâmina Lama, do Matthew Barney!

    beijos

    ResponderExcluir
  2. É Anita!!! Pareceu um lugar incrivel mesmo!! Ta na lista pra eu conhcer tbm!!
    Vou anotar as dicas do q nao pode faltar!!
    Bjo

    ResponderExcluir

Zen e Caos- Viagem pela Tailândia

Postagens populares